Memorias de Guerra- Trajetória de Vidas Vividas

        Como não abrir espaço para uma crônica de reflexão destas?

        Como não pensar em vitoriosos e derrotados em guerras desumanas?

        Como não pensar na vida?

        Lendo meus trabalhos e minhas comunidades passei por este texto de Camila Bertodo, simplesmente mágico a visão da autora.

        Parabéns Camila, que suas crônicas possam engrandecer a curiosidade dos leitores, e com isso termos a chance de um dia encontrarmos um mundo melhor, sem feridos e vitoriosos.

    Leandro Campos Alves.

Setembro de 2016

 

 

MEMORIAIS DE GUERRA, TRAJETÓRIA DE VIDAS VIVIDAS



    A primeira guerra mundial (1914-1918), e a segunda guerra mundial (1939-1945), foram tempos difíceis, ocorreram muitas mortes, mal tratos á seres humanos, e pessoas lutando para sobreviver, refletindo os abusos do governo, e dos mandantes de Hitler.
    O tempo passou, mas pessoas que registraram este holocausto, jamais retiraram de suas memórias as imagens presenciadas, neste tempo á mercê de incógnitas, na revista experiência , aborda a história e a passagem de Gustav Klawviec que possui em sua mente as imagens deste tempo vivido, ele ressalta “ Para mim, não houve vencedor em 1945, mas ganharam aqueles que conseguiram seguir em frente e esquecer as marcas e crueldade”, o medo sempre foi presente na rotina dos seres humanos que presenciaram as guerras, e os temores do nazismo.
    Aquele tempo vivido, considero impossível de ser apagado, e disponibilizaria nota cem, a um estudante de história que viesse a derramar lágrimas , pela história da primeira e segunda guerra mundial, pois ouvir as histórias, é triste, mas mais doloroso é para o cidadão que viveu naquele tempo e jamais conseguirá retirar de seus pensamentos, sonhos, e vivencias, as cenas de terror, e dificuldade.
    O peso do tempo passado nas pessoas que viveram e caminharam por este tempo nostálgico, só pode ser reconstruído com o futuro, mas esta história será sempre contada e dirigida aos netos, e bisnetos, dos sobreviventes.
    Segundo o Jornal Data Folha, Existem ainda alguns sobreviventes da segunda guerra mundial, Chain Ferster, Gustav Klawviec, e Burwitz, suspeita de ser filha de Hitler. O Escritor psiquiatra Augusto Cury, através de um romance psiquiátrico, relatando o sofrimento e as sensações de pavor que as leituras de textos desta época causam á seus telespectadores, historiadores, e pesquisadores.
    Entretanto mesmo com o imenso conteúdo através de materiais, sobre essas guerras ocorridas, antigamente, ainda se omite muito, do real ocorrido, e segredos guardados á sete chaves do campo de concentração, que só sobreviventes de lá, poderão dirigir como foi o ocorrido.
    A psicologia questiona como Adolf Hitler, um austríaco, inculto, manipulador das facetas humanas, e emoções, conseguiu construir um exército á seu favor? A questão que não quer calar, em que fase da vida de Fuhrer, ele se tornou o destruidor, monstro, da vida de milhões de seres humanos? Cabe, a você constatar suas opiniões e conclusões próprias, mas procurar embarcar no fundo desta caixa histórica, renovando os votos do que você acredita, e da maneira como tudo veio a acontecer, no tempo revivido pela mente de sobreviventes deste holocausto que foi o reinado de Hitler.

 

 Autora da Crônica: Camila Bairros Bertodo-2016.

 

Todos os direitos são reservados a autora, conforme artigo (lei 9.610/98)

 

Contato

Escritor Leandro Campos Alves https://www.clubedeautores.com.br/authors/75816

https://www.facebook.com/escritorleandroalves/

http://busca.saraiva.com.br/q/leandro-campos-alves

https://plus.google.com/u/0/+EscritorLeandroCamposAlves