Noites eternas.

 

O silêncio da noite na cidade não será mais o mesmo.

As ruas não terão na madrugada,

o sons de seus passos solitários.

A noite não trovoará a voz da sua amizade.

O cambaleio do solitário sonhador,

não terá mais sua maestria.

 

Nossas noites ficarão mais frias,

as lembranças serão saudades,

E as ruas de minha cidade? ...

Perdeu o encanto.

 

A simplicidade dos homens

não estão nos grandes feitos,

mas sim...

Nas pessoas e personalidades que mesmos sozinhos,

humildes ou embriagados,

sabem o valor da amizade.

 

As noites quentes do verão serão frias,

e as do inverno?

Congeladas.

 

Na rua de minha casa,

não escutarei mais o grito longínquo,

grito cambaleante que quebra o breu,

quebra o silêncio,

ecoando o nome Deion...

sô Tião, ou Leiandro.

 

O Leionildo,

era clássico na voz saltitante deste amigo.

O tropeço alegre e verdadeiro

que quebrava o silêncio da noite,

nas ruas de minha cidade será apenas lembrança.

 

E agora...

 

Sinto que não era apenas mais um,

mas sim,

um amigo verdadeiro de sentimentos nobres,

um amigo que mesmo pouco tendo,

tinha muito a entregar.

Um amigo que trazia seu abraço fraterno,

sua amizade sincera.

 

E hoje? ...

 

Nossas ruas ficou órfã,

tristes e solitárias.

 

Não escutaremos mais os passos desta pessoa,

desta personalidade,

que muitas vezes nos passava desapercebido,

mas que muito nos deixará saudade.

 

A maldade do homem nos calam,

mas não calarão nossas lembranças e sua odisseia.

O som de sua voz ecoará na madrugada,

quebrando o frio da noite de nossa cidade,

chamando por seus amigos.

 

Muitos acharão que é assombração,

espirito andante.

Mas será apenas meu amigo,

que partiu antes de seu tempo,

lembrando que amigos são eternos.

 

Nossa cidade encontrará a paz almejada,

porém todos ouvirão a voz solitária

deste errante amigo,

chamando pelos seus,

e azucrinando seu algoz.

 

A morte é apenas uma passagem,

mas há quem diz,

que antes do tempo a alma vaga...

 

 

Mesmo ele dormindo em paz,

ainda muitos ouvirão os gritos noturnos,

transformando a vida em folclore,

transformando a morte em vida,

transformando a crueldade em lembrança eterna.

 

 

Assim será a saga deste homem chamado Doril.

 

Leandro Campos Alves.

Poema "Noites Eternas".

Livro "Mémorias Postumas".

2018.



 

 Todos direitos estão reservados a autor  conforme artigo (Lei 9610/98).

 Todos direitos estão reservados a autor  conforme artigo (Lei 9610/98).

Contato

Leandro Campos Alves Caxambu MG / Liberdade MG. leandrocalves@hotmail.com