Utilizando referência bibliográfica da maneira correta em sua escrita

    A padronização da referência bibliográfica na produção de textos, apesar de ser fundamental, costuma causar preocupação e dor de cabeça em muitos autores. Não é à toa, afinal, existem formas corretas de formatar cada tipo de referência, como livro, artigo, site de internet, periódicos etc.

    Além disso, há diversas normas disponíveis, sendo a mais comum aquela regida pela ABNT — Associação Brasileira de Normas Técnicas. Quer saber quais são as principais e aprender a utilizar corretamente as referências bibliográficas nos seus trabalhos? Então prossiga a leitura!

Normalização de referência bibliográfica

    O uso de referência bibliográfica em uma produção escrita, seja em trabalhos acadêmicos, seja em obras publicadas por editoras, é de extrema importância por dois motivos principais: primeiro, porque fundamenta sua pesquisa, isto é, mostra as fontes que foram consultadas e aquelas em que você se baseou para escrever seu texto. No meio acadêmico, a presença de citações e de fontes é fundamental, pois, sem elas, o texto adquire caráter ficcional, ou seja, não é considerado científico.

    Em segundo lugar, porque apresenta ao leitor uma relação de obras afins que ele poderá procurar posteriormente, de forma a complementar sua leitura e se aprofundar no assunto em questão.

    Há, como já dito acima, diversas normas disponíveis para formatação de textos escritos. Quando se trata de referência bibliográfica, as distinções entre as normas são ainda mais evidentes. Confira algumas:

ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas)

    A ABNT é o órgão oficial responsável por desenvolver normas técnicas em absolutamente todas as áreas profissionais praticadas no Brasil. As normas referentes à padronização para apresentação de textos acadêmicos compõem apenas uma parte delas.

APA (American Psychological Association)

    Apesar de ser elaborada pela associação de Psicologia dos EUA, essa norma é utilizada por diversas áreas científicas, particularmente na padronização de artigos publicados em periódicos.

Vancouver

    Foi elaborada pelo Comitê Internacional de Editores de Revistas Médicas e é amplamente usada em trabalhos e publicações nas áreas médicas e biomédicas.

Chicago

    Essa norma foi baseada no manual de estilo de redação da Universidade de Chicago, nos EUA, e é amplamente utilizada para diversos tipos de publicações. Porém, é pouco conhecida no Brasil.

MLA (Modern Language Association)

    Também baseada em manual de estilo de escrita, a norma da MLA não é muito difundida no Brasil, mas é bastante usada no exterior. Portanto, conhecê-la pode ser útil para quem escreve em outras línguas e pretende publicar em outros países.

Tipos de publicações que precisam de referências bibliográficas

    Se a sua preferência é pela escrita de textos ficcionais, como contos, crônicas, romances ou poesias, você pode até fazer uma pesquisa histórico-cultural para ambientar personagens em uma determinada época e conhecer seu estilo de falar e de vestir, por exemplo.

    Sendo assim, dificilmente vai precisar fazer uma referência bibliográfica nos padrões exigidos pela academia. Existem, entretanto, muitos tipos de livros que precisam ter essa relação de obras citadas e consultadas. Veja quais são eles:

Trabalhos acadêmicos

Podem ser teses e dissertações ou mesmo uma coletânea de artigos com temas afins. Tem se tornado frequente a publicação de trabalhos acadêmicos  por meio de editoras. Nesse tipo de obra, é obrigatório o uso de referências, visto que se trata de trabalhos de pesquisa com fundamentação teórica.

Livros de não ficção

    Podem ser biografias, tratados históricos, políticos, temas relacionados à psicologia, autoajuda etc. Ao contrário do trabalho acadêmico, esse tipo de livro não tem característica monográfica e acadêmica, mas, geralmente, é resultado de um trabalho de pesquisa e, por isso, exige-se que sejam utilizadas as referências bibliográficas consultadas e citadas.

Livros técnicos

    Esse tipo de obra normalmente funciona como um manual ou guia técnico sobre determinado assunto. Uma de suas características é ser didático e sequencial, diferentemente de um trabalho acadêmico, que elege um tema e se aprofunda nele.

Livros didáticos

    Podem ser desde livros adotados na educação básica até aqueles usados pelos estudantes no ensino superior. Sua intenção é apresentar o conteúdo de determinado grau de estudo ou curso, o qual deve complementar os ensinamentos de um professor qualificado.

Obras de consulta

    Como o nome diz, são livros usados para que sejam feitas consultas, e não necessariamente para serem lidos em sequência. Podem ser dicionários, gramáticas, guias, entre outros. Nesses casos, informar as fontes de consulta é muito importante para assegurar a credibilidade da publicação.

Principais tipos de referências bibliográficas

    Seguindo a ABNT, o conjunto de regras mais comum no nosso país, veremos alguns exemplos de como fazer a referência da obra que foi consultada. A princípio, pode parecer até difícil, mas com a prática você perceberá que há uma lógica nesse processo — pelo menos para as referências mais comuns, como livros, capítulos de livro, artigos acadêmicos, entre outras. Vamos lá?

Livro na íntegra

    Siga o endereço abaixo, atentando-se para o uso de marcações, como letras maiúsculas e minúsculas, uso de negrito ou itálico, pontuação e espaçamento. Veja como é simples:

SOBRENOME, Nome do autor. Título da obra: subtítulo (se houver). Cidade: editora, ano de lançamento.

    Se a edição citada não for a primeira, o número pode ser indicado depois do título, seguido do termo “ed.”. Caso haja mais de um autor, os nomes são separados por ponto e vírgula. Seguem exemplos:

    BAGNO, Marcos. Preconceito linguístico: o que é, como se faz. 55. ed. São Paulo: Loyola, 2013.

    MUSSALIM, Fernanda; BENTES, Anna Christina (Orgs.). Introdução à linguística: domínios e fronteiras. São Paulo: Cortez, 2001.

Capítulo de livro

    Nesse caso, basta inserir no início da referência o nome do autor e do capítulo citado, seguido da expressão latina “In”, que indica que aquele capítulo se encontra no livro citado a seguir. No final, indique ainda o número das páginas do capítulo citado, como em:

    JOVCHELOVITCH, Sandra. Vivendo a vida com os outros: intersubjetividade, espaço público e representações sociais. In: GUARESCHI, Pedrinho; JOVCHELOVITCH, Sandra (Orgs.). Textos em representações sociais. 11. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. p.63-88.

    Note, no exemplo citado, que a autora do capítulo é uma das organizadoras do livro, indicação feita pela expressão “Org.” ou “Orgs.” entre parênteses. Atenção: o título da obra permanece em negrito, e não o do capítulo.

Artigo publicado em periódico

    Artigos são referenciados indicando-se os dados da revista, como autor e título do artigo, nome do periódico (em negrito), cidade, ano, número e volume da publicação. Veja como fazer:

    MATENCIO, Maria de Lourdes Meirelles. Gêneros do discurso e apropriação de saberes: (re)conhecer as práticas linguageiras em sala de aula. Linguagem em (Dis)curso, Santa Catarina, v.8, n.3, p.541-562, set./dez. 2008.

Publicação on-line

    É muito mais fácil, com o acesso à Internet, fazer consultas on-line do que se dirigir à biblioteca — embora, muitas vezes, dependendo da natureza da pesquisa, essa visita seja imprescindível.

    Para fazer referência de materiais consultados na rede, é preciso indicar todos os dados citados anteriormente, além do endereço eletrônico e da data de acesso. Isso porque a página pode não estar mais disponível quando for consultada novamente. Essas informações estão exemplificadas abaixo, em uma referência de dissertação de mestrado:

    LIMA, Marcos Ricardo de. O ensino técnico profissionalizante a serviço do capital em crise. 2008. 124f. Dissertação (Mestrado) — Universidade Federal de Alagoas, Programa de Pós-graduação em Educação, Maceió. 2008. Disponível em: . Acesso em: 01 fev. 2018.

    Na referência de trabalhos acadêmicos, constam: nome do autor, título do trabalho e ano de defesa. Segue-se o número total de folhas do trabalho, sua natureza e o local e a instituição de publicação.

    A referência bibliográfica, como pode ser visto, faz parte do cotidiano de muitos escritores e é importante aprender a usá-la corretamente. Aqui, neste post, você viu alguns modelos mais simples. Pesquise os manuais quando precisar citar leis, decretos, trechos da Bíblia, imagens e até materiais audiovisuais.

Fonte: Autografia Editora

blog.autografia.com.br/utilizando-referencia-bibliografica-da-maneira-correta-em-sua-escrita/?utm_campaign=blog_autografia_20_12&utm_medium=email&utm_source=RD+Station

Leis, Direitos Autorais e Estruturas Textos.

    A Biblioteca Nacional é responsável pelo registro de obras intelectuais desde 1898, quando foi publicada a primeira lei específica brasileira sobre direitos autorais, e até hoje, através do Escritório de Direitos Autorais, oferece esse serviço e outros correlatos aos...
Guia prático para não queimar mais o filme em provas, e-mails, redes sociais e vida profissional POR UNIVERSIDADE VEIGA DE ALMEIDA 29/08/2016 - 10:50 / Atualizado em 23/10/2018 - 12:24 Conteúdo de responsabilidade do anunciante Como qualquer outra disciplina, o português pode...
    A padronização da referência bibliográfica na produção de textos, apesar de ser fundamental, costuma causar preocupação e dor de cabeça em muitos autores. Não é à toa, afinal, existem formas corretas de formatar cada tipo de referência, como livro, artigo, site de internet, periódicos...
Sonetos       Denomina-se soneto um poema de forma fixa, composto por 14 versos, apresentados em 4 estrofes (ou estâncias), sendo 2 quartetos e 2 tercetos. O nome deste gênero lírico é originário do italiano sonetto, que significa “pequena canção”, ou, de forma literal,...
UM PRESENTE PARA OS MEUS AMIGOS: um livrinho inteirinho:     EU, CRONISTA. Integrante de série que compõe EU, NA PRIMEIRA E TERCEIRAS PESSOAS.      EU, CRONISTA     A Crônica é um tipo de texto narrativo curto, geralmente produzido para meios de...
  Autores de primeira viagem ficam ansiosos e, na pressa de alcançar seus objetivos, podem cometer uma série de erros ao publicar um livro. Para evitar isso, saber o que não deve ser feito, muitas vezes, pode ser mais importante e eficiente do que o contrário. A verdade é que escrever é...
Foto: Mega Jurídico - www.megajuridico.com/direito-autoral-tem-prazo-de-validade/   Questão tormentosa nos dias de hoje é a administração das obras literárias, artísticas e científicas pelos herdeiros dos artistas, principalmente em relação ao seu uso por terceiros. Para entender...
          CONTO – História completa e fechada como um ovo. É uma célula dramática, um só conflito, uma só ação. A narrativa passiva de ampliar-se não é conto. Poucas são as personagens em decorrência das unidades de ação, tempo e lugar. Ainda em...
  1. O que é a Lei Rouanet? A Lei Rouanet (Lei 8.313/1991), promulgada durante a gestão do ministro Sérgio Paulo Rouanet, instituiu o Programa Nacional de Apoio à Cultura (PRONAC), cuja finalidade é a captação e canalização de recursos para os diversos setores culturais. 2. O que é o PRONAC? O...
DESCRIÇÃO: edocbrasil         De acordo com o artigo 6º da Lei 10.753 de 2003, todos os livros publicados no Brasil devem conter a Ficha Catalográfica, ou, CIP (Cataloguing in Publication) – no Brasil Catalogação na Publicação – e deve estar de acordo com o padrão...
1 | 2 | 3 >>

Contato

Leandro Campos Alves Caxambu MG / Liberdade MG. leandrocalves@hotmail.com