Venda do sítio.

             Foto blog.

                http://tecnicotubar.blogspot.com.br/

 

 

        Peço licença para contar um causo entre dois compadres amigos.

        Causo esse real como tantos outros que relato aqui, esta é a minha vida, a vida de um jovem caminhante do destino.

        Neste causo pela primeira vez, vou relatar a conversa entre eles.

        Um dos compadres é um jovem senhor bem sucedido na vida, sendo ele um forte pecuarista que desde menino faz negócios e barganhas, em sua região ele é conhecido por Pedro.

        O outro compadre é um senhor de mais idade, que tem seu sítio alguns hectares de eucalipto plantado, casa e curral bem montados, além de ter em seu plantel quarenta vacas leiteiras.

        Um belo dia Pedro encontrou seu compadre em uma estradinha rural de sua cidade. Cordialmente eles se cumprimentaram e perguntaram de suas famílias reciprocamente.

        Logo após os comprimentos Pedro ouviu seu compadre lhe pedir conselho, que foi mais ou menos assim:

        ___Compadre Pedro, eu queria mesmo falar “cocê”, ou melhor, lhe pedir um conselho amigo.

        ___ Pode falar compadre.

        ___ “Ocê” lembra do senhor Chiquinho?  Aquele que mora na “corva”.

        ___ Conheço sim compadre, por quê?

        ___ Compadre Pedro, ele me procurou e me ofereceu o dobro do valor que vale o meu sítio do Queimado, eu levei até um susto ao ouvir o valor, e estou pensando bem na possibilidade de vender, é muito dinheiro, o que o senhor acha compadre Pedro?

        ___”Vixi”!... Acho melhor o senhor não vender não, pois a fama de mau pagador dele é muito grande.

        ___ Mas compadre Pedro é muito dinheiro, eu nunca tinha imaginado que minha terra valeria tanto.

        ___Mas mesmo assim, acho melhor o senhor conversar com a comadre e pensar bem!

        Assim eles se despediram e cada um voltou para seus fazeres, ressaltando que Pedro morava em uma cidade vizinha, mas como todo bom boiadeiro, ele é conhecido por toda região.

        Os dias passaram e seis meses depois na mesma estradinha rural, os compadres se encontraram para um conversa casual.

        ___ E aí compadre Pedro? Tudo bem com você e sua família?

        ___ Graças a Deus sim, e você e a comadre como estão?

        ___”Estamo bem”.

        ___Mas falando nisso, foi bom ver o compadre aqui. Falou Pedro.

        ___E o sítio na Queimada, o senhor vendeu?

        ___ Vendi sim compadre Pedro, foi a venda mais bem feita que eu fiz até hoje. Nunca imaginei vender aquele sítio por tanto dinheiro.

        ___ Mas me fala uma coisa aqui compadre, o senhor Chiquinho pagou direitinho?

        ___ Este é o único probleminha, ele não me pagou até hoje, e eu já passei o registro da terra para ele.

        ___Bem que lhe aconselhei a não vender o sítio compadre, e agora?

        ___ Não tem “poblema” compadre Pedro, receber eu não recebi, mas vendi bem toda vida o sítio, sou muito esperto “memo”, não acha compadre Pedro?

        Se a situação não fosse real seria no mínimo sarcástica para Pedro.

         Belo negociante esse compadre de Pedro, vocês não acham?...

 

Obrigado aos meus amigos e leitores pela visita, fiquem com Deus.

Leandro Campos Alves

Contato

Escritor Leandro Campos Alves https://www.clubedeautores.com.br/authors/75816

https://www.facebook.com/escritorleandroalves/

http://busca.saraiva.com.br/q/leandro-campos-alves

https://plus.google.com/u/0/+EscritorLeandroCamposAlves